Homepage | Quem somos | Nossa Fé | Contate-nos | Objetivos | Atividades
Bíblia - fé e prática
Jesus, Cabeça da Igreja
Igreja, Corpo de Cristo
O Poder do Sangue de Jesus
9 Dons Espirituais e 5 Ministérios
A Unidade do Corpo
A Volta Gloriosa de Jesus

O Momento Profético
Avivamento
Doutrina e vida
Costumes e Cerimônias
Outras Igrejas
O Espírito Santo e a Interpretação da Palavra
Soli Deo Gloria
Como Começar a Obra do Espírito em uma Igreja

Introdução
Dons e Evangelismo
Um Corpo, uma Fé
A Busca dos Dons
Mártires e Testemunhas
A Direção do Espírito

 
Versão para Imprimir Versão da cópia

A Unidade do Corpo


A Palavra de Deus mostra que os membros do Corpo de Cristo devem estar unidos entre si, pois “há somente um Corpo e um Espírito” (Ef. 4:4). Em sua oração sacerdotal o Senhor Jesus intercedeu junto ao Pai para que seus discípulos fossem um assim como Ele e o Pai são um (Jo. 17:11). Em João capítulo 10, versículo 16, o Senhor Jesus mostra como chegaria um tempo em que haveria um só rebanho e um pastor.

Ora, durante algum tempo as Igrejas evangélicas e pentecostais adotaram uma teologia “otimista” – embora desmentida pela realidade - que afirmava que essa unidade da Igreja não era visível mas era uma realidade diante de Deus, o que seria suficiente para atender o desejo de unidade do Senhor. Mas a Palavra de Deus nos ensina que a unidade do Espírito é algo que também depende do esforço dos crentes: “…esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz” (Ef. 4:3).

Em 1948, líderes cristãos decidiram criar o Conselho Mundial de Igrejas como órgão destinado a promover uma união entre as várias denominações cristãs. Ora, esse Conselho, embora buscando teoricamente atender a um objetivo bíblico, falhou por duas razões:

1. Não compreendeu que a unidade verdadeira só é possível entre os que crêem e praticam a Palavra do Senhor, não podendo compreender aqueles que a negam. Por exemplo, igrejas que praticam a idolatria, condenada nas Escrituras, ou que colocam uma tradição qualquer no mesmo nível que a Palavra de Deus.

2. Não entendeu que o tipo de unidade que o Senhor Jesus deseja é exclusivamente espiritual, conforme Ele claramente afirmou na oração que fez ao Pai. Não se trata absolutamente de uma unidade eclesiástica, institucional ou oficial.

Mas nos últimos anos o Espírito Santo tem despertado os verdadeiros crentes, especialmente nos meios pentecostais e carismáticos que compreendem o valor das Escrituras Sagradas para a necessidade de se tornarem sensíveis à unidade que o Espírito Santo está promovendo nestes tempos que precedem a volta do Senhor Jesus em glória para arrebatar Sua Igreja.

Por essa razão, encontram-se pelo mundo afora igrejas e pastores que têm sido tocados pelo Senhor para a necessidade de buscar a unidade do Espírito Santo. Como será alcançada esta unidade ainda não se sabe com precisão. Mas o Senhor sabe. Devemos, portanto, estar abertos para o que o Senhor revelar sobre esse assunto.

O que já compreendemos a respeito da parte que nos cabe desempenhar para que essa unidade seja alcançada é que devemos buscar uma aproximação com todas as Igrejas e líderes cristãos que crêem apenas na Bíblia como única regra de fé e prática e que são sensíveis ao que o Espírito Santo está falando a respeito da importância da unidade para que possamos conhecer esses outros irmãos, sua fé, sua experiência e suas necessidades. Podemos, então, começar a orar uns pelos outros.

À medida em que orarmos uns pelos outros, aprenderemos a amar esses irmãos e a minimizar as pequenas diferenças que existem entre nós em matéria de prática (costumes, usos, formas de louvar, etc.). Mas para que isso ocorra, não podemos fazer nossa comunhão depender de que não haja diferenças menores entre nós. A comunhão será resultado sobretudo de as Igrejas passarem a ouvir a voz do Senhor Jesus (Jo. 10:16) e a se submeterem na prática (não apenas na teoria) ao Governo do Senhor. Caberá ao Senhor, quando e se quiser, começar a nos esclarecer sobre essas diferenças. Temos de confiar na Sua operação miraculosa nesse campo tão delicado que é a Unidade da Igreja. De outra forma, jamais caminharemos no sentido dessa Unidade.

Neste estágio inicial é muito mais fácil haver uma comunhão entre grupos pentecostais e carismáticos (não-extremistas), pois esses grupos crêem que o Senhor Deus continua a falar à Sua Igreja e estão, portanto, sensíveis aos conselhos do Senhor e à direção do Senhor Jesus como Cabeça da Igreja.